Direito

Formação e Titulação
Bacharel em Direito
Duração Carga Horária Período
5 anos 3.700 horas Diurno e noturno
Autorização e Reconhecimento MEC
AUTORIZAÇÃO
Portaria 1.382 publicado em 27/07/2006.
RECONHECIMENTO
Portaria Nº 490 de 20/12/2011, publicada no DOU em 23/12/2011
Mensalidade
Clique aqui para ver a mensalidade.
Coordenador do Curso
Gilson Bonato
E-mail: gilson@fesppr.br
Telefone: 41 3028-6530
Corpo Docente
Alessandra Barichelo Boskovic - Mestre
Alcione Mazur
Alexia Brotto Cessetti - Mestre
Ana Carolina Elaine dos Santos – Mestre
Ana Maria Jara Botton Faria – Mestre
Andre Luiz Bauml Tesser - Mestre
Andrea Abrahão Costa – Mestre
Carlos Luiz Strapazzon - Doutor
Cibele Fernandes Dias - Doutora
Clarissa Bueno Wandscheer – Doutora
Cleverson Leite Bastos – Doutor
Constantino Comninos – Mestre
Daiane Carnelos Resende – Mestre
Dean Fábio Bueno de Almeida – Mestre
Ernesto Luis Malta Rodrigues – Doutor
Felippe Abu-Jamra Correa - Mestre
Fernanda Schuhli Bourges – Mestre
Francisco Paludo – Mestre
Gilson Bonato – Doutor
Guilherme Borba Vianna – Mestre
Heiga Maria Engel – Mestre
Ingrid Giachini Althaus - Mestre
Jairo Amodio Estorílio – Mestre
Lediane Rano Fernandes da Silva do Rosário - Mestre
Luiz Renato Skroch Andretta – Mestre
Martinho Martins Botelho - Doutor
Miriam Cipriani Gomes – Mestre
Pablo Bonilha Chaves – Mestre
Pedro Henrique Gobbi Machado - Mestre
Grade Curricular
Clique aqui para visualizar a Grade Curricular.

Histórico

Por meio da portaria nº 1.382, publicada no Diário Oficial da União em 26 de julho de 2006, foi autorizado pelo Ministro de Estado da Educação, Fernando Haddad, o funcionamento do Curso de Direito, bacharelado, da Faculdade de Ensino Superior do Paraná.

O Curso de Direito é um sonho antigo na FESP, que começou a se concretizar no segundo semestre de 2003, quando foi iniciado o Projeto Pedagógico, posteriormente encaminhado ao Ministério da Educação e Cultura (MEC), tendo sido analisado também pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que emitiu parecer favorável à autorização do curso.

Objetivo

O curso foi criado com diferenciais qualitativos, o que possibilita a FESP oferecer um ensino de qualidade, buscando o desenvolvimento integral dos alunos. Dentre os diferenciais do curso, merece destaque o corpo docente, que é formado por professores com titulação de mestre, doutor ou pós-doutor.

Esse conjunto de diferenciais foi pensado para promover um ensino personalizado. O Núcleo de Prática Jurídica possui sede própria e funciona no atendimento a população de baixa renda em casos de natureza cível e criminal. O aluno, para atuar no atendimento à população, recebe em sala de aula, nas disciplinas de estágio supervisionado, o conhecimento necessário para esta atividade, promovendo assim uma aproximação do aluno com o exercício profissional.

Conta ainda com um Núcleo de Arbitragem e Mediação ao qual estão vinculados grupos de pesquisa que investigam o tema e lhe dão suporte teórico.

A cada semestre é realizada a Semana Acadêmica, com palestras e debates sobre temas atuais e diferenciados de interesse jurídico. Ainda a cada semestre é realizado o Simpósio do Curso de Direito, cujos temas variados contam com a presença de profissionais das diversas áreas do Direito e afins.

A Revista de Direito da FESP possui Comitê Editorial formado por autores de renome e é aberta a autores de todo Brasil.

Merecem destaque ainda os intercâmbios com renomadas faculdades de Direito de primeira linha no Brasil e no exterior.

O curso é ofertado no período da noite, sendo as aulas ministradas das 19 horas às 22h35min e aos sábados no período da manhã, das 07h30min às 11h10min, para atividades complementares e demais disciplinas ofertadas aos alunos.

Núcleo de Prática Jurídica – NPJ

O Núcleo de Prática Jurídica tem fundamental importância para a consecução das diretrizes do Curso de Direito, proporcionando atividades de prática jurídica obrigatórias.
Sem perder de vista sua função acadêmica de propiciar ao aluno a oportunidade de conciliar a teoria e a prática mediante o contato com as realidades da área profissional que decidiu abraçar, e também a missão de estimular no futuro profissional a solidariedade e a consciência do papel de agente transformador dessas realidades, o Núcleo de Prática Jurídica traça um relacionamento harmônico com os Poderes públicos constituídos, concretizando as diretrizes institucionais e o desejo de levar a FESP para “além dos muros”, numa importante inserção junto à comunidade local, através da prestação de serviços jurídicos sociais de qualidade.
Sua operacionalização conta atualmente com um advogado da área criminal, contratado por meio de concurso, com um professor orientador, uma secretária e uma estagiária.
O atendimento de casos reais no Núcleo de Prática Jurídica abrange, a princípio, a área criminal, onde foram firmados convênios com a Justiça Estadual (especialmente a 1.ª e 8.ª Varas Criminais), a Justiça Federal (abrangendo todas as varas federais criminais da Subseção de Curitiba) e o Juizado Especial de Violência Domestica, por meio de nomeação de processos.
Tal configuração visa oportunizar aos alunos que estão cursando o 7 º e 8º períodos (voluntários ou bolsistas) contato com casos reais sob patrocínio do NPJ, ou ainda atividades que oportunizem, além do contato com a prática, a interação com fatos jurídico-sociais relevantes supervisionados pelos professores de cada área (audiências, júris, grupos de estudo de casos de destaque, elaboração de pareceres solicitados por outros órgãos públicos, orientações à comunidade e entidades sem fins lucrativos).
Uma nova face – Arbitragem, Negociação e Mediação
Integrando o Núcleo de Prática Jurídica, as atividades de pesquisa sobre arbitragem, mediação e negociação foram criadas visando o desenvolvimento holístico do aluno. A iniciação das atividades de pesquisa partiu da necessidade de estudar e aplicar meios adequados de resolução de conflitos e, assim, preparar os futuros profissionais para o exercício das funções demandadas por elas.
A mediação encontra-se intimamente relacionada com o pleno acesso à ordem jurídica justa, a efetividade do processo e a pacificação dos conflitos, de extrema relevância para o processo civil da atualidade.
Portanto, dentro de uma instituição que visa a formação completa do estudante, a apresentação das diversas áreas de atuação do operador do Direito é fundamental. Como os brasileiros estão ainda embebidos na cultura da jurisdição estatal e se portam com certa desconfiança, a necessidade de estudo aprofundado se faz imprescindível. Em vista disso, aceitar a arbitragem exige tempo e demanda empenho para informar e demonstrar resultados da prática do instituto.
Também existem nas atividades convidados especiais, como professores de psicologia, os quais desenvolvem trabalho no sentido de aliar a psicologia à mediação e arbitragem, trabalhando formas psicológicas de comportamento do negociador.

Os comentários estão encerrados.