Direito

Formação e Titulação
Bacharel em Direito
Duração Carga Horária Período
5 anos 3.700 horas Diurno e noturno
Autorização e Reconhecimento MEC
AUTORIZAÇÃO
Portaria 1.382 publicado em 27/07/2006.
RECONHECIMENTO
Portaria Nº 490 de 20/12/2011, publicada no DOU em 23/12/2011
Mensalidade
Clique aqui para ver a mensalidade.
Coordenador do Curso
Gilson Bonato
E-mail: gilson@fesppr.br
Anna Paula Calmon de Passos
Assessora das Coordenações de Curso
annapaula@fespr.br
Cibele Fernandes Dias
Coordenadora do Núcleo de Práticas Jurídicas - NPJ
Telefone: 41 3028-6549
Corpo Docente
Alcione Mazur - Mestre
Alexia Brotto Cessetti - Mestre
Ana Carolina Correa Petenati Guimarães - Mestre
Ana Carolina Elaine dos Santos – Mestre
Ana Maria Jara Botton Faria – Mestre
Andre Luiz Bauml Tesser - Mestre
Andrea Abrahão Costa – Mestre
Carlos Luiz Strapazzon - Doutor
Cibele Fernandes Dias - Doutora
Cleverson Leite Bastos – Doutor
Constantino Comninos – Mestre
Dean Fábio Bueno de Almeida – Mestre
Décio David - Mestre
Eleonora Laurindo de Souza Netto - Mestre
Ernesto Luis Malta Rodrigues – Doutor
Felippe Abu-Jamra Correa - Mestre
Fernanda Schuhli Bourges – Mestre
Francisco Paludo – Mestre
Gilson Bonato – Doutor
Guilherme Borba Vianna – Mestre
Heiga Maria Engel – Mestre
Ingrid Giachini Althaus - Mestre
Lediane Rano Fernandes da Silva do Rosário - Mestre
Martinho Martins Botelho - Doutor
Miriam Cipriani Gomes – Mestre
Pablo Bonilha Chaves – Mestre
Pedro Luciano Evangelista Ferreira - Mestre
Vanessa Simionato - Mestre
Grade Curricular
Clique aqui para visualizar a Grade Curricular.


 

Objetivo

O curso de Direito da FESP possui diferenciais qualitativos, o que possibilita a faculdade oferecer um ensino de qualidade, buscando o desenvolvimento integral dos alunos. Dentre os diferenciais do curso, merece destaque o corpo docente, que é formado por professores com titulação de mestre, doutor ou pós-doutor.

O Núcleo de Prática Jurídica possui sede própria e funciona no atendimento a população de baixa renda em casos de natureza cível e criminal. O aluno, para atuar no atendimento à população, recebe em sala de aula, nas disciplinas de estágio supervisionado, o conhecimento necessário para esta atividade, promovendo assim uma aproximação do aluno com o exercício profissional. Esse conjunto de diferenciais foi pensado para promover um ensino personalizado.

O curso de Direito conta ainda com um Núcleo de Arbitragem e Mediação ao qual estão vinculados grupos de pesquisa que investigam o tema e lhe dão suporte teórico.

A cada semestre é realizada a Semana Acadêmica, com palestras e debates sobre temas atuais e diferenciados de interesse jurídico. Ainda, semestralmente, é realizado o Simpósio do Curso de Direito, cujos temas variados contam com a presença de profissionais das diversas áreas do Direito e afins.

Merecem destaque ainda os intercâmbios com renomadas faculdades de Direito de primeira linha no Brasil e no exterior.

O curso é ofertado nos períodos manhã e noite, sendo as aulas ministradas pela manhã 07h30min às 11h10min e de noite, das 19 horas às 22h35min. Ambos períodos contam com aulas aos sábados pela manhã, das 07h30min às 11h10min, para atividades complementares e demais disciplinas ofertadas aos alunos.

Núcleo de Prática Jurídica – NPJ

O Núcleo de Prática Jurídica tem fundamental importância para a consecução das diretrizes do Curso de Direito, proporcionando atividades de prática jurídica obrigatórias. Sem perder de vista sua função acadêmica de propiciar ao aluno a oportunidade de conciliar a teoria e a prática mediante o contato com as realidades da área profissional que decidiu abraçar e também a missão de estimular no futuro profissional a solidariedade e a consciência do papel de agente transformador dessas realidades.

O Núcleo de Prática Jurídica traça um relacionamento harmônico com os poderes públicos constituídos, concretizando as diretrizes institucionais e o desejo de levar a FESP para “além dos muros”, numa importante inserção junto à comunidade local, através da prestação de serviços jurídicos sociais de qualidade. Sua operacionalização conta atualmente com um advogado da área criminal, contratado por meio de concurso, supervisionados por professores e com o apoio de secretária e estagiários.

O atendimento de casos reais no Núcleo de Prática Jurídica abrange, a princípio, a área criminal, onde foram firmados convênios com a Justiça Estadual (especialmente a 1.ª e 8.ª Varas Criminais), a Justiça Federal (abrangendo todas as varas federais criminais da Subseção de Curitiba) e o Juizado Especial de Violência Domestica, por meio de nomeação de processos. No âmbito cível, a população carente é atendida diretamente no NPJ ou por meio de convênios firmados com a Defensoria Pública e outros órgãos de assistência.

Para os alunos que estão entre o 7º e o 10º período, existe a possibilidade de entrar em contato com casos reais que oportunizam a compreensão da prática. Esses alunos, recebendo bolsa-auxílio ou sendo voluntários, poderão interagir com fatos jurídico-sociais relevantes ao ensino.

Com a supervisão dos advogados do NPJ, os alunos têm a oportunidade de participar de audiências, júris, grupos de estudos, elaboração de pareceres solicitados por órgãos públicos e orientações à comunidade e entidades sem fins lucrativos.

Uma nova face – Arbitragem, Negociação e Mediação

Integrando o Núcleo de Prática Jurídica, as atividades de pesquisa sobre arbitragem, mediação e negociação foram criadas visando o desenvolvimento holístico do aluno. A iniciação das atividades de pesquisa partiu da necessidade de estudar e aplicar meios adequados de resolução de conflitos e, assim, preparar os futuros profissionais para o exercício das funções demandadas por elas.

A mediação encontra-se intimamente relacionada com o pleno acesso à ordem jurídica justa, à efetividade do processo e à pacificação dos conflitos, de extrema relevância para o processo civil da atualidade. Portanto, dentro de uma instituição que visa a formação completa do estudante, a apresentação das diversas áreas de atuação do operador do Direito é fundamental. Como os brasileiros estão ainda embebidos na cultura da jurisdição estatal e se portam com certa desconfiança, a necessidade de estudo aprofundado se faz imprescindível. Em vista disso, aceitar a arbitragem exige tempo e demanda empenho para informar e demonstrar resultados da prática do instituto.

Também existem nas atividades convidados especiais, como professores de psicologia, os quais desenvolvem trabalho no sentido de aliar a psicologia à mediação e arbitragem, trabalhando formas psicológicas de comportamento do negociador.

O convênio firmado com o Tribunal de Justiça do Estado do Paraná permitirá a atuação dos alunos na mediação pré-processual, nas dependências do NPJ.

Os comentários estão encerrados.